Mostrando entradas con la etiqueta Artigo PDF. Mostrar todas las entradas
Mostrando entradas con la etiqueta Artigo PDF. Mostrar todas las entradas

4/05/2020

ENDODONTIA : Terapia pulpar em dentes decíduos e permanentes jovens

Endodontia

O objetivo básico da terapia pulpar é manter a integridade dos dentes e de seus tecidos de suporte.

É desejável manter a vitalidade pulpar de um dente afetado por lesão de cárie, lesão traumática ou outras injúrias. No entanto, um dente desvitalizado pode manter-se clinicamente funcional.

As indicações, os objetivos e o tipo de terapia dependem do diagnóstico obtido – polpa saudável, pulpite reversível, pulpite irreversível ou necrose pulpar.



Testes de sensibilidade pulpar (elétricos e térmicos) podem ser úteis em dentes permanentes, mas não são recomendados para dentes decíduos, em função de respostas não confiáveis.

Dentes que apresentarem sinais ou sintomas como história de dor espontânea, fístula, inflamação periodontal não resultante de gengivite ou periodontite, mobilidade não compatível com trauma ou período de rizólise, radiolucidez apical ou na região de furca, reabsorções interna ou externa são compatíveis com diagnóstico de pulpite irreversível ou necrose pulpar. Estas características indicam o tratamento endodôntico.

Veja Também: Reabilitação estética e funcional em paciente com cárie severa da infância: relato de caso

Dentes que apresentarem dor provocada de curta duração ou por escovação, aliviada com a remoção do estímulo e uso de analgésicos, são compatíveis com o diagnóstico de pulpite reversível e candidatos à terapia para polpa vital que vão deste o capeamento pulpar indireto até a pulpotomia.

LEIA ARTIGO COMPLETO AQUI


°abodontopediatria.org.br
°Autores : Fernando Borba de Araújo / Maria de Lourdes de Andrade Massara / Célio Percinoto / Ítalo Medeiros Faraco Júnior



4/02/2020

Mantenedores de Espaço e sua Aplicação Clínica

Ortodontia

A perda precoce de dentes decíduos devido a cárie dentária ainda é muito freqüente em crianças brasileiras.

É de responsabilidade do Clínico Geral e, principalmente, do Odontopediatra e do Ortodontista orientar a população infantil e seus pais sobre a importância da preservação dos dentes decíduos.

Assim, este trabalho tem a fi nalidade precípua de abordar os diferentes tipos de mantenedores de espaço, com suas indicações, contra-indicações, vantagens e desvantagens, bem como sua aplicação clínica.

INTRODUÇÃO : Durante o desenvolvimento da dentadura decídua para a mista e permanente, a ocorrência de anormalidades é um fato que pode estar presente constantemente.

Nos arcos dentários, a mais freqüente é a discrepância entre o espaço presente e o espaço requerido para a irrupção e acomodação de todos os dentes permanentes.

Veja Também: ODONTOPEDIATRIA : O que é Ulectomia?

A perda parcial ou total da estrutura dentária acarreta uma diminuição do espaço disponível no arco dentário, provocando um dese-quilíbrio estrutural e funcional (CORREA, 1996; GRABER, 1972; SILVA, 1999).

Cada dente se mantém harmoniosamente na sua correta posição, alinhado com contatos proximais em curvas semi-elípticas para a maxila e parabólica para a mandíbula, recebendo a ação de forças musculares externas e internas (mecanismo do bucinador e da língua, respectivamente).

Se uma destas forças for alterada ou removida, fatalmente ocorrerão mudanças no relacionamento dos dentes adjacentes com migrações dentárias e, assim, perdas de espaço, levando a uma desarmonia oclusal com conseqüências deletérias ao sistema estomatognático da criança (ALMEIDA et al., 1999).

LEIA ARTIGO COMPLETO AQUI


dtscience.com
Renato Rodrigues de ALMEIDA / Renata Rodrigues de ALMEIDA-PEDRIN / Marcio Rodrigues de ALMEIDA



3/31/2020

Reabilitação estética após fratura mandibular unilateral e perda precoce de dentes anteriores: relato de caso

Reabilitação

Nos primeiros anos de vida, as crianças tornamse mais vulneráveis a traumas dentários, pois estão desenvolvendo habilidades motoras e aprendendo a caminhar e socializar.

Em virtude disso, quedas na infância e choques inespecíficos se tornam comuns e em maior gravidade, podendo ocasionar injúrias na dentição decídua resultando na perda precoce de dentes decíduos.

As injúrias traumáticas mais frequentes e citadas na literatura são a subluxação, a intrusão e a avulsão e suas consequências são relevantes e de extrema importância para cirurgiões-dentistas clínicos gerais e profissionais da área da saúde, uma vez que são estes os primeiros a se depararem com tal condição.

O traumatismo dentoalveolar continua sendo a razão mais frequente para consultas em dentistas e, em menor frequência, em unidades de pronto atendimento hospitalares.

Os fatores que podem aumentar a frequência desses traumas são amplamente discutidos e citados, e tem-se como principais causas a utilização da chupeta, um acentuado overjet e não selamento labial.

Veja Também: PREVENÇÃO : Tratamento Restaurador Atraumático. Uma técnica que podemos confiar?

Assim nestas situações os pais devem ser alertados e, dessa forma, a possibilidade de ocorrência de traumas pode ser minimizada.

Existem situações em que condutas preventivas são irrelevantes, como no caso de uma queda da altura de uma laje de uma casa, situação esta que não pode ser evitada apesar da atenção dos familiares.

LEIA ARTIGO COMPLETO AQUI


docs.bvsalud.org
Tamara Ripplinger / Gabriela dos Santos Pinto / Deisi Spessato / Larissa Corrêa Brusco Pavinato / Caroline Dias Tams Riffel



3/28/2020

MEDICINA ORAL : Prevenção de intercorrências estomatológicas em oncologia pediátrica

Medicina Oral

A evolução dos protocolos quimioterápico e radioterápico no tratamento das neoplasias pediátricas tem determinado um aumento progressivo nos índices de cura.

As estatísticas mostram que nos anos 1960 a sobrevida que era de apenas 4% alcançou níveis acima de 70% em 2012, desde que o diagnóstico seja precoce e o tratamento seja realizado em centros especializados.

Dados de literatura mostram que cerca de 40% dos pacientes oncológicos apresentam complicações bucais agudas decorrentes da toxicidade direta ou indireta, como mucosite, xerostomia, infecções fúngicas, virais ou bacterianas.


Os efeitos adversos envolvendo a cavidade bucal e a sua severidade estão relacionados à quimioterapia, à radioterapia, ao tipo e à localização do tumor e, ainda, às condições de saúde bucal.

Veja Também: Higiene oronasal em bebê com fissura labio palatina (antes da cirurgia)

Os pacientes com condições de saúde bucal desfavoráveis, infecções dentárias, gengivites e falta de higiene bucal, apresentam um risco maior de desenvolver complicações que podem comprometer as funções sistêmicas durante os períodos de imunossupressão induzidos pela quimioterapia.

A radioterapia na região de cabeça e pescoço tende a potencializar esses efeitos colaterais.

LEIA ARTIGO COMPLETO AQUI


° Autores : Isabel Nemoto Vergara Sasada / Claudia Marcela Hernández Cancino / Renata Córdova Petersen / Ingeburg Hellwig / Caroline Siviero Dillenburg
° Imagen : DR P. MARAZZI/SCIENCE PHOTO LIBRARY

3/26/2020

Indicações de radiografias odontológicas em odontopediatria

Reabilitação

Este guia foi elaborado com a finalidade de auxiliar na seleção de técnicas radiográficas e interpretação das imagens obtidas como parte da avaliação bucal de bebês, crianças, adolescentes e pacientes portadores de necessidades especiais de cuidados á saúde.

Espera-se que auxilie no julgamento profissional sobre a melhor utilização do diagnóstico por imagem, contribuindo para melhorar a qualidade do atendimento ao paciente, para diminuir os riscos dos efeitos da radiação e orientar, responsavelmente, a instalação de equipamentos no ambiente clínico.


Fundamentação Teórica : Desde sua descoberta por Wilhelm Conrad Roentgen, em 1885, os raios-X tornaram-se um dos grandes aliados para a determinação de um diagnóstico correto.

Veja Também: Reabilitação de dentes decíduos anteriores com o uso de pinos de fibra de vidro

Com o passar do tempo, tanto os aparelhos como os filmes radiográficos evoluíram muito, proporcionando a aquisição de imagens cada vez mais fidedignas e com doses cada vez menores de radiação.

LEIA ARTIGO COMPLETO AQUI


°abodontopediatria.org.br
°Rita de Cássia Loiola Cordeiro (Coordenadora)
°Fabio Cesar Braga de Abreu-e-Lima

Tratamento restaurador atraumático em cavidades atípicas

TRA

O tratamento restaurador atraumático tem sido bem difundido entre os profissionais da área de Odontopediatria.

Essa técnica restauradora está inserida na filosofia de mínima intervenção e é considerada como uma das mais conservadoras, pois há somente a realização da remoção do tecido dentinário infectado.

Além disso, o tratamento restaurador atraumático mostra-se menos doloroso que a técnica convencional, sendo a anestesia raramente requerida.


Após a remoção do tecido dentário infectado, realiza-se o preenchimento das cavidades com o cimento ionômero de vidro, material que possui capacidade antimicrobiana, bom selamento marginal e liberação e recarga de flúor constante.

Apesar do aumento no número de estudos sobre esse tratamento, somente trabalhos com restaurações em cavidades oclusais mostram evidências científicas sobre a técnica.

Veja Também: Quem são os mantenedores de espaço?

O objetivo deste trabalho é relatar o caso clínico de um paciente com grandes destruições nos dentes decíduos, o qual foi submetido ao tratamento restaurador atraumático e observar o resultado da técnica após um ano de acompanhamento clínico e radiográfico.

INTRODUÇÃO : Nos dias atuais, pode-se dizer que uma lacuna no tratamento restaurador, para grande parte da população de países subdesenvolvidos e em desenvolvimento, tem sido preenchida com a técnica do tratamento restaurador atraumático.

LEIA ARTIGO COMPLETO AQUI


° Letícia Simino CARVALHO / Janaina Merli ALDRIGUI / Clarissa Calil BONIFÁCIO / José Carlos Pettorossi IMPARATO / Daniela Prócida RAGGIO
° RGO, Porto Alegre, v. 57, n.3, p. 357-362, jul./set. 2009

3/24/2020

PREVENÇÃO : Tratamento Restaurador Atraumático. Uma técnica que podemos confiar?

PREVENÇÃO

A Odontologia brasileira vem experimentando grandes avanços na prevenção da cárie, onde não mais figura como um país de desdentados.

Contudo, a cárie ainda tem grande impacto na saúde das crianças brasileiras e o tratamento restaurador continua sendo importante, desde que aplicado somente quando necessário.

Neste contexto, surge o Tratamento Restaurador Atraumático (TRA) que, embora desenvolvido nas décadas de 80 e 90 para ser aplicado em comunidades sem acesso a infraestrutura mínima para aplicação da odontologia convencional.


Vem ganhando muito espaço na Odontologia moderna em virtude de alguns aspectos: técnica minimamente invasiva, permitindo manutenção de estrutura dental sadia através da remoção seletiva de cárie com instrumentos manuais e restauração com Cimento de Ionômero de Vidro (CIV) de alta viscosidade; redução do número de exposições pulpares, reduzindo endodontias e exodontias, menor estresse e ansiedade do paciente, visto que raramente causa dor, não necessitando de anestesia; tem sido descrito como um método econômico e eficaz na prevenção e controle da doença cárie em populações vulneráveis.

Veja Também: SAÚDE BUCAL : Primeira Consulta Odontopediatra

Além disto, a aplicação desta técnica em locais de grande demanda por tratamento restaurador odontológico aumenta o número de altas uma vez que o atendimento é mais veloz.

A resolutividade da técnica TRA também impacta positivamente na redução dos custos do tratamento quando comparado aos tratamentos restauradores convencionais.

LEIA ARTIGO COMPLETO AQUI


°revista.aborj.org.br
°Revista Brasileira de Odontologia
°Antônio Fernando Monnerat;Maria Isabel de Castro de Souza;Aline Borges Luiz Monnerat