3/23/2020

Tratamento endodôntico em molar decíduo com fístula no palato - Relato de caso

Pulpectomia

A realização da Endodontia em decíduos com comprometimento pulpar é importante, uma vez que a permanência destes na cavidade bucal servirá de guia para a erupção dos permanentes sucessores.

Ocorre que quando a lesão endodôntica não é tratada e se estende além da polpa coronária pode surgir uma fístula, sinal clínico de que na região existe infecção em atividade. A incidência de fístula no palato em crianças é rara.

O objetivo deste artigo foi relatar um caso clínico de tratamento endodôntico radical realizado em molar superior decíduo com presença de fístula.


Paciente infantil, gênero feminino, 3 anos, apresentava inicialmente edema facial no lado esquerdo e dor de grande intensidade.

O dente 64 tinha uma restauração com recidiva de cárie e polpa necrosada com fístula no palato, levando ao diagnóstico de abscesso dentoalveolar agudo.

Veja Também: Quem são os mantenedores de espaço?

Foi feito como urgência cirurgia de acesso e localização dos condutos radiculares com uso de formocresol como medicação e o dente foi restaurado provisoriamente. Retorno após 7 dias, com sensível melhora do quadro clínico.

Com respeito às técnicas de manejo do comportamento infantil, na sequência foi realizado um eficiente preparo biomecânico e obturação com cimento de óxido de zinco e eugenol. A restauração definitiva foi feita com resina composta após 7 dias.

LEIA ARTIGO COMPLETO AQUI


° Nascimento JMQ, Resende GB, Silva MB. Tratamento endodôntico em molar decíduo com fístula no palato – relato de caso. Sci. 2014; 5(20):658-665


Tambien te puede gustar