ADS

Tratamento Restaurador Atraumático: atualidades e perspectivas

TRA

O Tratamento Restaurador Atraumático (Atraumatic Restorative Treatment) atualmente é entendido como uma abordagem minimamente invasiva que compreende medidas preventivas, terapêuticas e restauradoras em relação à cárie dental e no controle dessa doença, inclusive no atendimento à pacientes especiais.

O tratamento é feito apenas com a utilização de instrumentos manuais e com o uso do cimento de ionômero de vidro (CIV), aplicado para o selamento de cicatrículas e fissuras em risco de cárie e na restauração de dentes com cavidades nas quais as fissuras adjacentes também são seladas.


As razões mais frequentes para as falhas das restaurações ART estão associadas ao deslocamento do ionômero de vidro em função de insuficiente remoção de esmalte desmineralizado e dentina decomposta; manipulação inadequada do pó/líquido do ionômero de vidro; grau de umidade e temperatura da mistura do ionômero no momento da manipulação; não preenchimento completo da cavidade com o material restaurador; contaminação por saliva e/ou sangue; limpeza ou condicionamento insuficiente das cavidades; grau de cooperação do paciente; habilidade do operador.

Materiais com propriedades estéticas melhoradas têm surgido no mercado odontológico e devem servir de estímulo para a realização de trabalhos de ART nos dentes anteriores.

Veja Também: Mantenedores de Espaço e sua Aplicação Clínica

No preparo do dente para as restaurações de ART de Classe II, é recomendável confeccionar retenções adicionais nas paredes vestibular e lingual para evitar o deslocamento da restauração.

O ART é capaz de diminuir o nível de ansiedade e medo dos pacientes quando o operador não é um especialista, além de ser um tratamento que proporciona menor dor e desconforto, podendo ser realizado num consultório odontológico ou fora dele.

Sugestões para novas agendas de pesquisa sobre o ART são propostas

LEIA ARTIGO COMPLETO AQUI


revodonto.bvsalud.org
Maria Fidela de Lima Navarro / Soraya Coelho Leal / Gustavo Fabián Molina / Rita Sarmiento Villena

No hay comentarios