ADS

Má formação dentária após trauma na primeira infância

Medicina Oral

O traumatismo buco-dentário pode acontecer em qualquer fase da vida, sendo muito comum em crianças na idade pré-escolar e escolar.

Segundo Andreasen e Ravn, 30% das crianças abaixo dos sete anos sofrem algum tipo de injúria dentária. No Brasil, um estudo epidemiológico realizado por Kramer et al. apresentou uma prevalência semelhante.

A fase inicial da vida (por volta de 1 a 3 anos), período em que as crianças estão começando a andar e a correr e não apresentam desenvolvimento completo da coordenação motora, do equilíbrio nem do reflexo de proteção, caracteriza-se como a época de maior ocorrência das injúrias.


Dessa forma, é de fundamental importância que não só o odontopediatra mas também todo cirurgiãodentista estejam capacitados para solucionar os problemas imediatos e mediatos decorrentes do trauma.

Traumas na dentição decídua podem acarretar influências nos dentes sucessores permanentes em desenvolvimento e trazer sérias consequências para estes, uma vez que existe relação anatômica íntima entre os ápices dos dentes decíduos e os germes dos permanentes.

Veja Também: Higiene oronasal em bebê com fissura labio palatina (antes da cirurgia)

Quanto aos aspectos psicológicos associados ao trauma dental em crianças, estudos mostram que esses podem causar possíveis impactos emocionais e psicossociais no comportamento da criança.

Fakhuddin et al. delinearam um estudo para avaliar o impacto social na qualidade de vida causado por traumatismo dentário. Foi observado que crianças com trauma dental dos incisivos superiores não tratados tinham mais dificuldade na mastigação e evitavam sorrir, além de apresentarem limitação física e funcional na sua rotina diária que aqueles sem injúria.

LEIA ARTIGO COMPLETO AQUI


revistacirurgiabmf.com
Lidiane Jacinto do Nascimento / Iva Ferreira de Souza Neta / Belmiro Cavalcanti do Egito Vasconcelos / Renata de Albuquerque Cavalcanti Almeida

No hay comentarios